CINOMOSE: UMA DOENÇA PERIGOSA E MAIS COMUM NO FRIO

As vira-latas Meg e Mel foram encontradas há alguns meses no portão da casa da representante comercial Cristina Soto Espinosa, 30 anos, de Mauá (SP). Como está habituada a resgatar cães e colocá-los para adoção, ela levou as cachorras imediatamente ao veterinário para castrar, vacinar e fazer um check-up. E foi o melhor que fez. As mascotes logo foram diagnosticadas com cinomose, doença grave causada por um vírus e contagiosa em cães. “O tratamento com medicamentos levou três meses. Além disso, ofereci alimentação balanceada e ambiente arejado. Como eram filhotes, cheguei a pensar que não sobreviveriam.”

O vírus pode atingir cachorros de todas as idades e raças, mas principalmente filhotes. Nesse caso, “a doença costuma ser mais agressiva, pois o animal não está totalmente apto para combater todos os efeito produzidos pelo vírus, embora o sistema imunológico esteja desenvolvido”, explica Eduardo Flores, professor do Departamento de Medicina Preventiva da Universidade Federal de Santa Maria (RS).

A doença é sistêmica e atinge vários órgãos, inclusive o cérebro. Como é pouco conhecida e chega de mansinho, seus sintomas são confundidos, e o diagnóstico tardio reduz as chances de cura. Contudo, há um indício que deve alertar os tutores: a maioria dos casos acontece no inverno. Isso porque o frio é o período preferido do chamado VCC (Vírus da Cinomose Canina).

PRIMEIROS SINAIS

O período de incubação – tempo entre o contato com o vírus e o aquecimento dos sintomas- costumam ser de até dez dias. A cinomose é caracterizada por fases. Os sintomas iniciais podem ser confundidos com uma gripe ou mal-estar: secreções ocular e nasal, febre, vômito, diarreia, dificuldade respiratória e perda de apetite. Uma vez subestimado, o quadro evolui rapidamente para febre alta, pústulas e pneumonia.

Fonte:
http://revistameupet.uol.com.br/saude/cinomose-uma-doenca-perigosa-e-mais-comum-no-frio/4427/

COMPARTILHE:Share on FacebookTweet about this on Twitter